Deixar Tudo
Deixa de deixar cheiros, no meu corpo!
Deixa de obrigar-me, a sentir falta do teu sabor!
Deixa de invadir as minha papilas gustativas, com os teus sabores, ora doces ora amargos!
Deixa de resistir ao meu banho perfumado, fazendo com que o teu suor, ainda persista em mim!
Deixa o meu corpo quieto e a minha cabeça em paz!
Deixa de brincar com os meus desejos e fantasias!
Deixa de aparecer, causando-me sensações arrepiantes!
Detesto, quando me tomas nos teus braços e prometes-me aquilo, que eu mereço!
Detesto, quando as minhas roupas, abandonam o meu corpo, desordeiramente!
Detesto, que os teus beijos não peçam autorização para pôr-me, em ponto de mel!
Detesto, quando as tuas mãos ficam invisuais e percorrem o arrepiado, em braille do meu corpo!
Deixa de coçar-me as costas, para que elas sintam a necessidade das tuas unhas!
Deixa de agarrar o meu corpo, fazendo com que fique saudosa do teu agarranço!
Deixa de deixar rastro, de beijinhos teus no meu entre pernas!
Deixa de tornares o meu umbigo, o centro do teu desejo!
Deixa de arrebitar os bicos das minhas mamas, como se eles te obedecessem mais a ti, do que a mim!
Deixa de dar à língua com o meu clitóris, como se andassem a segredar contra mim!
Deixa de dar por garantidos, os orgasmos que te destino!
Deixa de provocar-me, tremuras sem fim!
Deixa de deixar-me, louca de tesão!
Deixa de invadir o meu corpo e alma!
Deixa de fazer de mim, continuação de ti!
Deixa de sorrir, quando eu digo que detesto-te!
Deixa de gozar abundantemente, eu mim!
Deixa de tatuar-me, com recordações tuas!
Basta! Basta desta dependência, maravilhosa!
Detesto-te, com todas as minhas forças!
Detesto-te, por teres feito de mim, refém das tuas palavras!
Detesto-te, porque quero-te mais vezes em mim!
Detesto, quando me penetras e em vez de me sentir invadida, sinto-me una!
Detesto sentir-te enterrado em mim, como se eu fosse terra fértil, onde te plantas!
Detesto gemer, quando só te devia dar silêncios!
Detesto quando tremes em mim e eu entro no teu ritmo, em vez de ser-me indiferente!
Deixa de ir embora, dizendo até à próxima!
Deixa de fazer-me falta, quando estou a tentar esquecer-te!
Deixa de entrar nos meus sonhos e fazer-me acordar!
Deixa de massacrar-me, acordada ou a dormir!
Como detesto, deixar-te voltar para te vires!
E é nesse vir a dois, que sei que somos um!
Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiência como utilizador. Clique em “Aceitar”. View more
Aceitar